O fragrante - Épico fim [Parte I]

Por Thays

Jannie voltara para casa totalmente diferente, pois tivera saído feliz, com um sorriso enorme no rosto e voltou totalmente lúgubre.
Sua mãe não percebera, afinal, nunca foram assim tão amigas!
Jannie disfarçando sua imensa vontade de chorar foi para seu quarto, mas infelizmente, seus irmãos estavam lá e novamente teve de sair para buscar refugio em outro lugar, de primeira procurou sua amiga Allbie que lhe serviu muito bem como ombro.
Passara a tarde com a amiga e quando chegou em casa sua mãe veio lhe falar que um rapaz ligara, Jannie sem nenhuma pretensão de que fosse seu amado platônico perguntou quem era e sua mãe disse que era exatamente Simie, ela não soube o que dizer por isso preferiu falar nada, naquele instante teve certeza que nunca mais falaria consigo.

Passadas algumas horas Jannie estava dormindo e sonhando incessantemente com Simon, quando o telefone toca e ela acorda, muito brava por sinal, quando atende é uma voz desconhecida que pede para falar com "Jennie".
"Nossa quem me conhece assim tão bem pra me chamar pelo apelido?", pensou ela.
Quando pergunta quem era, lá veio a resposta:
- Aqui é o Simon, ela se encontra?


Ela estava tão nervosa e chateada com ele que nem se tocou que estava sendo grossa ao falar.
- É ela mesma pode falar.
Estava com uma frieza muito peculiar, ele, no entanto, com uma voz envergonhada pediu-lhe desculpa por não ter lembrado de si, ela respondeu que tudo bem, já havia passado, embora estivesse se controlando para não falar vários desaforos, ele pediu para que ela não deixasse de aparecer ou ligar, claro que ela disse que sim, mas fora apenas educação porque já havia rasgado seu numero de telefone e e-mail.

Assim, Jennie decidiu fingir que Simie nunca tivesse existido, e conseguiu levar sua vida lembrando daquele perfume tão bom e que nenhum outro cara tinha.
Passados alguns meses Jannie já estava melhor, já nem se lembrava daquele "desconhecido".

Na época era bem mais nova do que hoje, tinha apenas 14 anos e era muito amiga de seu irmão mais velho que a chamou para ir com ele ao seu curso, ela contente aceitou dizendo que seria muito bom fazer algo novo com seu irmão de quem tanto gostava. Jannie estava adorando tudo e achava muito legal os amigos de seu irmão, embora insistissem perguntar se eram namorados, coisa que os deixava  constrangidos, claro que a ela muito mais.

Pouco depois da aula começar, chega uma amiga de seu irmão acompanhada de um rapaz que parecia muito querido pela turma, pelo modo que foi recebido, Jannie sentia-se estranha, pois quando ele surgiu, embora não o pode ver muito bem, pois as luzes estavam apagadas e havia um telão na sala, seu coração acelerou muito, de um jeito que só uma vez na vida havia sentido. Nesse momento ela começara a se policiar, principalmente no que tangia os pensamentos. Eles foram para frente da sala e então tudo ficou bem, até a hora que ela sentiu novamente aquela fragrância que a deixara muito incomodada.

Quando acabou a aula e as luzes se acenderam ela pode confirmar suas dúvidas, era ele de novo, Simie, mas ela não acreditava que ele a reconheceria, afinal, ela estava um pouco diferente, com os cabelos cacheados, vermelhos e bem maiores. Ele por outro lado sentiu que a conhecia de algum lugar, pois aquele olhar tão profundo que ela lançara lhe era familiar, ele parabenizou Thiago por ter uma namorada assim tão admirável, Thiago, já cansado de ouvir aquilo explicou que Jannie era sua irmã e apresentou-a para Simie e Sarah, Jannie perguntara se eram namorados e Sarah explicou que também eram irmãos, Simie exclamou sentir que já conhecera Jannie antes, Jannie não afirmou nada apenas disse que poderiam ter se cruzado em um lugar do centro ou alguma escola de informática.

Saindo de lá foi com o irmão e seus amigos do curso  passear pelo centro onde também estava Simie, ela tentava não olhá-lo, mas era ele quem mais falava, não tinha como não manter a atenção em si. Ela até chegou a pensar que ele lembrara dela pois a olhava todo o tempo, mas logo tirou essa absurda ideia da cabeça.
No momento em que se despedia de Thiago perguntou se ela tinha orkut - a febre do momento - ela, claro, disse que sim, e ele afirmou com a cabeça, se despidiu dela por ultimo com um abraço bem apertado que gerou brincadeiras dos amigo, tais como, "Nossa vai sufocar a menina" ou até "Nossa quer levar para casa é?".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

3 Segredos da oração

Desconhecido ante a mim

A maldade em mim