Maçãs, Morango e uma pitada de Chili Peppers [Final]

N'outro dia, encontrava-se me casa, seus amigos estavam lá hipnotizados jogando The Forgotten Sands, no PS3, aguardava sua vez já que perdera a última partida, ficou ali vendo-os comandando os elementos da natureza, no clima de mil e uma noites, enquanto o herói lutava para salvar o reino do irmão, invadido por um exército inimigo, lutando contra esqueletos e com ajuda do gênio compravam novos poderes. O jogo ficava inda mais emocionante em sua full HDTV de OLED, com 42 polegadas - se a experiência com o Play Staion já é a melhor em relação aos gráficos, quanto mais naquela TV, era uma animal experiência.

Como o pessoal mandava muito bem, viu que não chegaria tão cedo sua vez, precisava treinar bem mais, ligou então o rádio, não prestou muito atenção no que rolava, apenas se estava sintonizado na sua estação preferida, a 89FM. Lembrou-se que aquele hora Amy já teria chegado da escola e resolveu ligar-lhe, foram conversando, como qualquer outro dia, até que Jay resolver dizer o quanto gostava dela.
- Eu também gosto de você Jay.
- Sim, eu sei! Mas não é só dessa maneira...





Ambos já haviam previsto que isso poderia vir a acontecer, pelo carinho mútuo que tinham um pelo outro.
- Poxa, não acredito que você também tenha se apaixonado por mim Jay!
- Pois é, tentei, mais seu jeitinho meigo me pegou completamente...
Enquanto conversavam começou a tocar Apologize, do One Republic, a letra até que tinha haver com as desculpas que Amy estava a dar, dizendo que não daria certo, já que os dois moravam longe, muito longe. Para ele não seria problema, pois sentia-se grandemente atraído por Amy, faria o sacrifício que se fizesse necessário realizar.

Como o rádio estava um pouco alto deu para Amy ouvir a música, perguntou qual era e, enquanto terminavam online o relacionamento que pela rede começara e que não havia passado de palavras que haviam fisgado-lhe. Quando a música cessou de tocar na 89, ele ouviu-a em loop, mas dessa vez era pelo telefone, abaixou o rádio e ficaram ouvindo a canção, que ele até então já ouvira, mas que nunca lhe fora de importância, para Amy ficou marcante desde o primeiro momento que ouviu-a.

Ambos não sabiam muito bem o que dizer, as palavras que haviam saído de uma forma tão espontânea e infante, agora pareciam ser talhadas em mármore, difíceis de sair, ele tentava dizer o quanto seria difícil continuar a imaginar-se sem ela, e ela a dizer que tinha um carinho imenso por ele, pois quando começaram a difama-la no Orkut, ele fora o único que havia apoiado-a, sempre com palavras de pelúcia, atenciosamente ouvindo ou lendo o que dizia. Desde o começo Jay fora um fofo, fazendo-a sentir-se desejada, mas sem ao mesmo tempo sentir-se engodada, como sentia os demais garotos tratando-a.

O One Republic continuava a cantar desculpas e a cada loop deixava-os inda mais sensíveis para a recepção de seus instrumentais com a voz melodiosa de Ryan Tedder e do Timbaland fazendo "ie, ie" no fundo, mesmo sem compreender muito bem o que dizia a letra, sentiram-se envolvidos por ela, como se pudesse dizer as palavras que lhe faltavam naquela hora.

Olhando para o TV, viu que o interesse do pessoal havia-se todo voltado para ele, eles haviam pausado o jogo para poder se concentrar em algo que parecia bem mais importante, deram algumas dicas do que Jay devia dizer e ficaram torcendo por ele, tentando não fazer muita algazarra, para não atrapalhar seu maninho.

- Desculpe, Jay, mas nunca daria certo, há uma imensa distancia que nos separa.
- Mas...
- Espero não perder sua amizade, que pra mim é muito valiosa.
- Tudo bem...

Ele encontrava-se só, em seu quarto, enquanto as últimas palavras de Amy ecoavam em sua mente, ele havia dito apenas três palavras, a primeira por ter sido interrompido e as duas últimas meramente por reflexo, havia dito aquilo mecanicamente, seu cérebro havia ordenado a resposta sem bem compreender o que estava sendo dito, já que a pressão e decepção lhe causara um curto cerebral. Os seus amigos percebendo o clima não muito legal, salvaram o jogo, e foram-se embora deixando-lho a sós - homens não são muito bons com sentimentalismo e a melhor forma de ajudar seu companheiro e ficando calado, sozinho para reflexão, isso é o suficiente.

Os dias iam passando, parecia que o que Jay sentia por Amy havia mudado, agora por mais que ela lhe enviasse recado, ele não queria saber de respondê-la, no eme-esse-eme entrava apenas offline, ela sabia que ele estava lá e lhe enviava mensagens, mas ele não respondia. Tudo que ele sentira por ela, começava a se transformar em mágoa, Jay cria que assim seria muito melhor e que ajudaria a doer bem menos se a apagasse de vez de sua memória, começou pelos recados que recebera, depoimentos enviados e recebidos. Havia feito-lhe uma música e por pouco também não apagou-a, achou melhor deixá-la, pois se um dia chegasse a gravar com certeza ela lhe renderia uma boa grana, já que o que as pessoas gostam de ouvir a dor alheia e quanto mais dolorido melhor...

Jay olhava para seu console sem muita vontade de treinar, ele havia combinado de no sábado fazerem uma competição do Prince para ver quem era o melhor, porém mesmo tendo a faca e o queijo na mão para humilhar qualquer um, não sentiu o menor prazer, mesmo que aquele fosse um de seus passatempos prediletos. Desligou o game e sintonizou a HBO, estava passando Piratas do Caribe, enxergando gaussianamente o que estava a sua frente.

Pensou ter ouvido o telefone tocar, acionando o mute teve comprovação de que realmente estava a sinalizar chamada, pegou-o e quando encostou ao ouvido ouviu Amy perguntar se era o Jay, ele ficou alguns segundos calado, sem reação diante da surpresa de merecer tamanha honra: ela lingando-lhe. Ela percebendo que era ele, por não ter nada respondido, começou a falar.
- Quero saber por que motivo você está me ignorando.
- Eu...
- Jay seja sincero comigo!
- Eu só fiz isso, pois achei que seria melhor...
- Pra quem? Só se pra você! Pois pra mim, isso me deixou muito mal, você pode não ter percebido, mas isso me machucou.
- Eu pensei que seria melhor pra você também, afinal, mal nos conhecemos.
- Mas nesse pouco tempo me apeguei demais a você. Poxa isso é injusto, gosto muito de você Jay e acredito que não é certo você fazer isso com a gente. E todos os tempos que passamos conversando, varando a madrugada? Tudo não significou nada pra você?

Aquelas palavras fizeram-no perder o chão, ele pensara que no fundo ela nem deveria importar-se tanto assim com ele, seria melhor esquece-la de uma vez por todas, não imaginara a ter cativado de tal maneira que pudesse sentir sua falta, com um mal estar, resolveu falar:
- É melhor ficar assim, não estava me sentindo muito bem.
- Você tem certeza Jay? Eu gosto demais de você, mas é você quem sabe. - Ele pode não só ouvir, mas também tocar o pesar daquelas palavras.

Jay acabou contando o acontecido para Cassy que disse que ele era podre, como poderia ter se apaixonado por alguém que nem conhecia e que era de tão longe, era melhor esquecê-la.
- Eu sabia que isso iria acabar acontecendo. A Amy é muito fofa mesmo, sabia que esse negócio não iria dar certo. - Disse meneando a cabeça. - Eu pelo menos fiquei com ela, mas e você!?

Tê-la ouvido dizer que gostava fazia uma lança transpassar-lhe o lado, não fazia bem ouvir gostar daquela forma, porém depois de muito refletir sobre o que Amy dissera, resolveu continuar a amizade. Deixando o orgulho de lado, viu que sua amizade valeria mais que qualquer coisa, lhe custaria muito mais perde-la pra sempre e pelo fato de ela ter-lhe ligado, fez com que seu cristalizado coração se desfizesse em águas correntes, ligou-lhe pedindo desculpas e disse que ela era importante demais para si e que mesmo que tentasse não a esqueceria.

O tempo foi passando e continuaram bons amigos, Jay até chegou a mandar a música que fizera por depô, por ter-se declarado sentia-se no direito de tratá-la ainda mais carinhosamente, sempre a chamava de "minha Pimentinha". Continuaram-se a falar por um bom tempo, até que, com o tempo, a amizade foi se esfriando, pouco a pouco, até que passou anos sem que trocassem alguma palavra que fosse.

Restou-lhes apenas algumas palavras de carinho e aquela música que sempre que ouvem lembram um do outro, muito mais para Amy que disse que ela ficara com a cara de Jay, "não consigo ouvi-la sem lembrar de você. Ela se tornou muito especial pra mim.", havia confessado há tempos atrás quando falaram-se pela última vez.




Ósculos e amplexes,

Comentários

  1. muito lindo de mais zall

    fiquei até emocionada

    ResponderExcluir
  2. Que bom que tenha gostado, você não faz idéia o quanto isso me motiva a escrever inda mais!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

¿Se você gostou está esperando o que pra comentar?
¡Comente este artigo que acabou de ler, agora mesmo!

Comentar faz toda diferença, pois sinto o feedback das pessoas pra quem faço o blog com tanto carinho e isso me motiva a escrever cada vez mais. Você não tem ideia da diferença que faz um comentário.

¡Atenção!
» Todos os comentários são moderados e liberados apenas depois de analisados;
» Não há problemas com críticas, desde que você saiba se expressar;
» Evite palavrões ou palavras de baixo calão;
» Escreva o mais correto possível;
» É proibido escrever todo texto com caixa-alta ou em maiúsculo.

Quer entrar em contato ou tirar alguma dúvida? Então acesse o Formulário de Contato

Postagens mais visitadas deste blog

3 Segredos da oração

Desconhecido ante a mim

A maldade em mim