Problemas com perfil fake 3 [O mistério de Feiurinho]

Cada dia mais, Jessy, parecia encantada, feliz, regozijante, o que, a despeito das demais garotas ficava bem evidenciado e aquilo parecia uma tremenda falta de respeito. Ainda mais por saber o motivo que deixara o clima da sala tão pesado.

Porém, pela primeira vez Jessy sentia-se arrebatada por alguém e aquilo que sentia não podia ser sobreposto pela infelicidade alheia - o que ela tinha a ver com aquilo, a dor ao menos era sua? Jessy estava amando, será que suas "amigas" não podiam perceber isso, ela até tentara compadecer-se do acontecido e não demonstrar tanta felicidade, mas parece que se apertasse os lábios a alegria saia pelos olhos e se os fechasse um sorriso descontrolado tomava-lhe todo rosto ao lembrar-se das conversas que tivera com seu príncipe, que algum dia veria face a face.

Fridda ainda tentou dizer para ser mais moderada, até que certo dia no fim da aula, quando Jacy olhou pela janela viu um carinha conversando animosamente com Jessy, logo chamou as amigas para ver o ocorrido.


Ao chegarem embaixo, interromperam a conversa dos dois e foram-se apresentando, já que ela não fizera menção de as apresentar, Jessy ficou meio de lado sentindo-se deslocada com a situação, enquanto as meninas o tratavam com ironia, rindo do seu sotaque mineiro e suas roupas bregas, até ela interromper dizendo que já estava na hora dele ir embora.
- Mas pra quê sô, inda tá cedim e tô conhecendo as mininas. - Disse alegremente.
Elas gargalharam da ingenuidade do caipira, mas ele acreditou que riam com ele.
- É melhor você ir logo, está tarde. - E assim foi empurrando-o para ir embora.
- Té mais ver mininas, prazer!
- Tchau e aparece mais vezes. - Soltou Katy e olhando para o P!nk Croux que riam do ocorrido que comentaram que o caipira combinava bem com Jessy.

- Agora entendi porque ela não para de sorrir como boba na sala, namorando um desses aí, é difícil não ter motivos pra rir, principalmente da cara desse parvo. - Disse Katy para nossa alegria.
- Mas até que ele bonitinho. - Soutou Lady.
- Pode até ser bonito, mas é um completo caipira. - Fridda emendou enquanto todas caíam no riso.
- Do que vocês estão rindo garotas? - Quis saber Jessy quando aproximou-se do círculo.
- Nada demais, amor. Estava-mos nos questionando por que você não havia apresentado ele antes? - Quis saber Jacy a insaciável por fofocas.
- Deixe pra lá, mas parabéns, você tem um ótimo bom gosto, bem a sua altura. - Comentou Katy pondo as mãos em seu ombro, mediando-a de alto a baixo, enquanto o círculo desfazia-se e cada uma ia pra seu lado, deixando Jessy sem compreender muito bem do que tratava-se os comentários, ela apenas tinha a impressão de que boa coisa não deveria ser.

A descoberta do amante de Jessy por alguns dias foi motivo para fazê-las sorrir como antes, principalmente quando nas aulas os professores chamavam sua atenção para que retornasse dos devaneios. Mas, conforme o tempo passava e ela continuava na mesma, aquilo foi ficando insuportável, até que passaram a excluí-la do grupo.

No inicio Jessy não percebera o que acontecia, que os garotos haviam isolado Tonny e que também acabara isolada, pois tinha olhos, mente e coração unicamente para seu amante, porém conforme os pais e professores ralharam-lhe para prestar mais atenção, já que as notas viam decaindo, de A+ para A e B+, aquilo deixou-os tremendamente preocupados, pois poderia refletir um futuro sem muita dedicação e brilhantismo, sua distração mostrava um futuro brilhante mergulhado na mediocridade.


Jessy vendo que deveria ter o pé prontamente firmado no chão, embora acreditasse ser mero exagero, o fez para que não tivessem do que reclamar de si. Ao retornar a realidade foi que percebeu o que acontecia ao redor, a classe e apenas duas ilhas, ela e Tonny. Não entendeu o motivo dele estar isolado, afinal, era um cara popularmente simpático, inteligente, um desportista nato, sabia apenas que as garotas estavam com raiva dele, mas desconhecia, ou ignorava o motivo da descompostura, mas os garotos também, qual seria o motivo?

Lembrou o quanto Tonny era simpático e que mesmo quando não estava mais a dar bola para as demais garotas, no intervalo, sempre piscava para si e abria aquele belo sorriso - cheio de dentes - e assim resolveu sentar-se próximo a ele o que a fez ser ainda mais desprezada pelas suas ex-amigas e também os outros garotos, foi taxada de traíra e judas, mas não se importou.

- Se você continuar a falar com esse cara, pode esquecer nossa amizade. - Bronqueou Fridda apertando-lhe o braço, enquanto Katy apenas observava de longe.
- E desde quando fomos amigas? - Jessy disse puxando seu braço e sentindo-se repudia por todas lançou um furioso olhar pro lado de Katy. O fato é que já caíra nas graças de Tonny e não compreendia o motivo de tanto desprezo com alguém tão fantasticamente completo e que ainda conseguia ser tão bonito.

Quando Tonny viu Jessy aproximar-se de sua carteira sentiu-se abalar acreditando que ela também lhe trataria mal, ou pior, iria zombar de si, mas contrariamente ela chegou de mansinho sem bem olhar para ele, afinal era aula de história e o professor até que explicava bem, mas era um porre pra dar sermão por qualquer coisa - Carlos, tinha jeito e ações de criançola, mas ai de quem quisesse ir-lhe contra. Ela ficou ali quietinha, apenas próxima, aquilo por mais silencioso que fosse trazia um certo ar de cumplicidade e o fez sentir-se melhor. Com o tempo começaram a trocar ideia e ele descobriu o motivo dela ser tão calada, é que apesar da inteligência descomunal era muito tímida já que tinha uma grande baixa auto-estima.

Ele sabia bem o que era isso, já que estava a passar por isso, depois de todo ocorrido, mas tê-la ali deu-lhe confiança, fazendo com que se sentisse mais seguro, principalmente a respeito de si mesmo, percebeu que não cometera nenhum erro com relação a sua escolha, ele seria muito feliz com o que decidira, não importava se as outras pessoas gostariam ou não, o que contava era sua felicidade.

Era bom chegar na classe de zumbis e ter aquela garota especial radiando alegria, certa vez perguntou-lhe o motivo de tamanha felicidade e ela disse que não era nada além de amor, que a alimentava dando energias e recarregando-a de felicidade tal, mesmo depois de um dia estressante e dificultoso, ele sem jeito não teve coragem de perguntar quem seria essa pessoa que merecia tanta atenção sobre si. De certo, era alguém muito especial pra ter sido a causa de fazê-la levar repreensão até mesmo do diretor e ao voltar para a sala, parecia suspirar ainda mais. Ele apenas admirava-se de alguém tão entregue assim.

Não resistindo a curiosidade, Tonny resolveu perguntar quem era esse ser que lhe fazia tão feliz e recebeu como resposta que era segredo, insistiu, mas ela disse que era melhor ele não saber, pois já cometera o erro de contar uma vez para suas amigas, melhor dizendo, ex-amigas, o que mostrou-se uma má ideia devido as várias chacotas, ao que ele insistiu dizendo que confiava nela e que ela poderia sentir o mesmo por si: confiança.
- Está bem, é o Toinhim. - Disse desmanchando-se em felicidade, se controlando para que não fosse percebida por todos.

Tonny sentiu uma onda de choque e viu que agora sim poderia contar seu segredo, quem poderia ser mais indicada do que Jessy? Com certeza ela compreenderia seus motivos e falando mais baixo, pediu que se aproximasse inda mais dele, enquanto a professora de Geografia passava a matéria na lousa.

- Jessy, preciso contar uma coisa muito importante pra você. Eu sou... - Tonny sussurrou-lhe no ouvido, com aquele cálido ar a tocar sua face, como sempre perfumado com um leve toque de Halls de menta, e, interrompendo o que estava a dizer, para que mais ninguém ouvisse, já que temia sua reação, escreveu no caderno que estava a frente deles.

A princípio Jessy não compreendeu muito bem a pequena grafia, curvou-se sobre a mesa e Tonny puxou o caderno para mais perto dela, quando pode, enfim, ler aquilo, sentiu a terra tremer, parecia-lhe estar num negativo fotográfico, cores invertidamente escuras. Tonny tentou explicar seu problema com Tonho, porém Jessy conseguiu ouvir apenas a professora - Annville uma distinta dama que vestia-se sempre na moda, naquele dia estava ainda mais fashion e multicor, sempre combinando tudo com seu estilo minimalista e seguindo a macro-tendência da moda.


Postagens mais visitadas deste blog

3 Segredos da oração

Desconhecido ante a mim

A maldade em mim