Problemas com perfil fake 18 [O mistério de Feiurinho]

- Me deixa em paz, seu boiola!
O sangue de Tonny sobe, ele vai pra cima de Jacke e lhe dá uma porrada no queixo que o faz cair sobre uma carteira.
- Você está ficando louco Tonny, o que aconteceu? - Victor perguntou enquanto o seguravam, ele parecia um pouco mais sossegado já que estava satisfeito por ter acertado aquele canalha.
- Será que você não está vendo que o guy ainda está de muleta? - Mal Daves fechou a boca e Jacke havia pulado largando as muletas e saiu socando Tonny e quem mais segurava-o.
- Há, há, há, há! Mas sua perna não estava ruim? Vocês são mesmos uns banana heads, me segurando pra evitar mais confusão e esqueceram de segurar aquele otário, no fim sobrou foi pra vocês mesmos. - E continuou a rir, quando passou a mão pela boca viu que estava sangrando. - Não é que esse litle fag sabe bater?

Os dois iam se atracaram e a coisa se não tomou proporções piores porque Nick chegou com o inspetor e o diretor, os dois acabaram suspensos por uma semana, além de deixaram alguns prejuízos como carteiras quebradas e algumas lesões nos que tentaram apartar a briga.


Tonny e Jacke ficaram a semana toda de castigo, no quarto, de onde podiam assistir as aulas e upar as atividades depois de concluídas pelo portal da escola. Saíam apenas para comer e ouvirem sermão.
- Foi pra isso que você foi para aquela escola Anthony? É assim que você retribui a confiança que depositamos em você? - Seu pai inquirira.
Não fora fácil para ele explicar-se, até porque não tinha coragem de contar o motivo real da briga, ele preferia manter aquele segredo bem guardado, até que um dia pudesse - quem sabe? - contá-lo.

Tonny estava online no MSN conversando em conferência com a galera sobre um trabalho de literatura quando Victor disse que estava conversando com Jacke, ele respondera com má educação que não havia perguntado nada e que o problema seria todo dele. Durante os dias ambos haviam discutido pelo nick do MSN, cada um deixava uma frase que mostrava o quanto o outro estava errado e era otário, mas nenhum dos dois chegou a bloquear-se. Foi então que recebeu uma intimação de Daves que lhe disse que a semana de suspensão já estava para acabar e que era para os dois pararem de palhaçada e começarem a se falar de uma vez por todas.


Ambos sentiam falta um do outro e gostariam de voltar a falar-se, mas os dois eram orgulhosos e nenhum sedia. Tonny resistia dizendo que não se sentia bem, e que só a ideia de fazê-lo já causava embrulho no estômago, Jacke então enviou um convite para entrar na conversa, mas Tonny ainda resistiu até que Brent falou para parar de frescura, pois os dois eram muito amigos e não podiam deixar um problema a toa – qualquer que fosse o mesmo - separá-los.

Começaram a conversar sem assunto, de inicio, ainda estavam meio distantes, até que And - o mais engraçadinho - começou a zombar de ambos dizendo que pareciam namorados cheios nhem-nhem-nhem para se falarem, mas que no fim se amavam, Tonny acabou confessando que amava a bichinha do Jacke que por sua vez disse que o amava mais. Ambos começaram a rir e zuarem, lembrando da briga que tiveram e riram ainda mais de quem tinha levado sem ter nada a ver com a história.

Segunda-feira na escola os demais estavam felizes porque os dois haviam feito as pazes, ao mesmo tempo em que sentiam raiva, já que os dois os alopravam por terem se dado mal por meterem-se na briga deles.
- É, já diz o ditado, nesse tipo de briga ninguém mete a colher. - Disse Brent parafraseando a sabedoria popular do ditado que sempre ouvia de sua vó, quando ia passar um tempo com ela devido as constantes briga dos pais.

- Olha só a map desses dois sacanas. - And disse quando os dois entravam na sala abraçados. - Se a gente soubesse que uma briguinha ia servir pra unir vocês, teríamos deixado se matarem.
- Pois é, agora já estamos bem. - Tonny deu um beijo no rosto de Jacke.
- Muito bem, sei que são lindas essas demonstrações de afeto mútuo, mas todos para seus lugares. - Disse Rickie ao entrar, estava escrevendo na lousa quando virou para iniciar a aula com uma de suas tiradinhas. - Bem que dizem “quem briga demais acaba casando”.
- Quer saber? Você tem razão Rickie, vem cá amor! - Jacke puxou Tonny, enquanto ele tentava fugir de si toda a sala se acabava de rir.
- Me larga coisa ruim! – Disse empurrando-o, virou, então, para Jacke como que segredando. - Não na frente de todos!
O pessoal riu tanto que quase não conseguia parar.

Enquanto as coisas voltaram ao normal entre os dois, para os lekes do BØB restava apenas os hematomas. And felizmente havia sido acertado no braço o que lhe permitia esconder o roxo, o mais azarado fora Daves que quando entrou na frente para separar os dois acabou levando uma bica, pois na hora em que interviu para separá-los Tonny estava prestes a acertar Jacke, sobrou pra ele que agora andava com certa dificuldade, já que Tonny tinha bastante resistência na perna, seu chute de aço era sua arma no futebol, agora ele entendia claramente o porquê do apelido canela de Wolverine e sabia bem como se sentia a pobre bola quando chutada por si.

Victor ficou com o olho roxo, ele ainda tentou escondê-lo usando um aviador armação branca, mas depois de comprar briga com Carlos teve de tirá-lo, todos riram de seus óculos naturalmente arroxeados. Entretanto com as garotas, seu cabelo moicano e o rostinho de anjo maculado fez despertar seus instintos maternos fazendo-as paparicarem-no ainda mais, todas queriam cuidar de si e sempre eram atenciosas, queriam fazer tudo por ele, inclusive preparando ou pagando seu lanche. Conforme os dias passavam, o roxo do pessoal foi sumindo, mas por algum motivo desconhecido o do olho de Vicky não sumia de jeito nenhum.
- Hey, Vicky, firmeza?!
- Firmeza, And!

- Mas que estranho seu olho ainda não ter melhorado, já faz quase duas semanas  – Enfatizou fazendo aspas com os dedos. –  desde que a gente se meteu na briga desse casal aí.  –  Apontou com o polegar, sem virar a cabeça, na direção de Jacke e Tonny.
- É que sofri um trauma muito grande, nesses últimos dias, não tenho conseguido nem prestar atenção nas aulas, não sei se algum dia irei me recuperar. - Disse dramatizando.
- Sei bem o quanto você tem sofrido, no harém que está. - And olhou para as garotas e viu-as suspirando por Vicky e piscou-lhe matreiramente ao voltar os cabeça pra si.
- Só se estiver sofrendo de tanta atenção que tem! - Daves disse enquanto todos riam.
- Cara, me deixa em paz! Será que vocês não percebem o quanto isso é incomodo, ou vocês acham que gosto de vir pra escola com o olho assim todo dia? - Vicky discursava moralmente.
- Sabe Vicky, hoje você está uma gracinha. – Disse And piscando-lhe um sorriso maroto, enquanto alisava seu ombro.
- Sai pra lá, cueca!

- Você agora só dá atenção pra essas barangas e eu? – Disse com tom ofendido.
- And, para!
- Deixe-me cuidar de você também, gatinho. – And voltou a alisá-lo e desceu a mão pra sua bunda.
- Você é louco? Está me estranhando, mano? – Vicky deu um salto empurrando a mão de And.
- Vem cá, neném! Que de hoje você não me escapa.
Vicky tentou fugir, mas And lhe agarrou pela cintura e o puxou de volta.
- Sai, desgraça! – Ele forçou o braço empurrando a cabeça de And.

- Acho que você está andando me confundindo... – Mal pode terminar a frase, pois quando olhou para aporta viu Tonny observando a cena sombreamente, como um voyeur, ele apenas balançou a cabeça e saiu. And aproveitando a distração derrubou-o sobre as carteiras, quando Vicky viu era tarde, já estava sob suas pernas. Ele ainda tentou resistir debatendo-se, mas não funcionou, pois não tinha forças para resisti-lo, pois além de maior era mais forte - ao contrário de si, que só não era menor que Mouki, até porque não tinha como, ao menos por enquanto, ele sempre parecia um menino perdido no meio dos garotos maiores, mas apesar da desvantagem do tamanho e a cara de bebe era extremamente rápido, conseguia correr grandes distancias antes de realmente cansar-se, esse era seu trunfo no futebol.

O pessoal da sala apenas acompanhava a cena inusitada, And estava de costas, deu apenas para ver quando se abaixou, com um braço segurou os de Vicky, chegou cada vez mais próximo, Vicky conseguiu apenas apertar os lábios e fechar os olhos, tudo foi muito rápido e o estrago estava feito. O rosto de And chegou mais perto, Vicky soube quando sentiu uma respiração quente e ofegante esquentando a face, ele passou a mão por seu rosto e uma gota de suor rolou pela face, seu coração estava a mil, trabalhando como nunca. Sentiu dificuldade em respirar...
- Nãaaaooo... – Gritaram as meninas desesperadas, And não podia estar fazendo aquilo com o fofinho delas!

Postagens mais visitadas deste blog

3 Segredos da oração

Desconhecido ante a mim

A maldade em mim