Farol


Luz, farol que me mostrou o caminho
Teus olhos incadescentes
Guiaram-me aos braços teus.
Astros flamejantes que brincam a me chamar.
Chamas que brilham em meu rosto
Você as poderia chamar de esmeraldas,
Opalas, rubis, turqueza, diamante,
Mas eu o chamo de sorir.

Foi no céu dos lábios teus que encontrei a luz,
Sol que aqueceu despertanto a mim.
Dantes vagava a vida, a ver
Se caminhos mil me levariam a você
Perdido na senda de horror, dizia viver,
Mas na verdade apenas te buscava encontrar.






Percebo que que não importar o caminho
Todos me trariam a ti,
Meu destino mais que certo,
Minha vontade de te ter.
Mesmo que não eterno
Amo o momento de estar nos braços teus
Te envolver com os meus e sermos um
Amor e paixão, algo tão abrasador,
Pavio da caricía é o beijo inflamável.

Momentos de prazer, talvez,
Apenas quando toco lábios teus
Sinto tua luz me preencher e brilho,
Não importa o mundo lá fora
O quanto desmorone mais e mais,
Pois tenho tua luz em mim,
Fluindo aqui e afastando a dor.


Quando essa chama começa a apagar
Meu pobre coração, carne pulsante
Bate mais depressa, preciso de maior calor,
Em desespero te busco
Ele começa ladir,
É saudade de ti,
Da luz que apenas encontro no teu céu.


Ósculos e amplexes,

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Desconhecido ante a mim

A maldade em mim